quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A Dor do Abandono

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Dieta Vegana X Dieta Onívora

 Fonte: http://vista-se.com.br/redesocial/dieta-vegana-x-dieta-onivora/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+vista-se+%28Vista-se%29
 
Não sou nutricionista nem médico, sou apenas um futuro biólogo com uma certa experiência em esportes de resistência e como todo bom vegano, um tanto quanto autodidata em nutrição. Mesmo assim gostaria de compartilhar com todos a minha visão sobre a dieta vegana em relação à onívora, sob o aspecto estritamente nutricional. Muitos veganos, talvez até a maioria, defendem que a dieta vegana seja mais saudável que a onívora e do outro lado temos os onívoros defendendo arduamente o contrário.
Pois bem, eu discordo de ambos os lados. Há algum tempo defendo que as duas dietas são equivalentes, não existe uma mais saudável que a outra. Do ponto de vista nutricional as duas dietas desde que sejam balanceadas são igualmente saudáveis, novamente, é simplesmente uma questão de equilíbrio, a chave de tudo na vida!
Muitos devem estar se perguntando onde, eu como vegano, estou querendo chegar. Na verdade quero esclarecer que tentar promover o veganismo a partir de declarações equivocadas de que a dieta vegana é nutricionalmente mais eficiente que a dieta onívora é um grande erro. Primeiramente, porque não existe qualquer comprovação científica disto, sendo que já existem várias comprovações científicas de que ambas as dietas podem ser completamente compatíveis com os mais altos patamares de saúde e de desempenho esportivo, desde que sejam balanceadas.
Em segundo lugar, porque apesar de algumas pessoas, assim como eu, terem chegado ao veganismo em busca de uma alimentação mais saudável, dificilmente alguém permanecerá na dieta vegana para o resto da vida por um outro motivo que não seja o bem estar animal, mesmo porque, qualquer outro motivo é secundário.
Por isso, é que considero um desperdício de energia tentar promover o veganismo através do argumento de que a dieta vegana é a mais saudável. Porque para promover o estilo de vida vegano, nós não precisamos que a dieta vegana seja superior, basta que ela seja tão boa quanto!
Esse, talvez seja nosso maior argumento, pois se, adotando a dieta vegana é possível obter os mesmos índices de saúde e desempenho físico que a dieta onívora balanceada, então qual o sentido de continuar derramando sangue e proporcionando tanto sofrimento aos animais? Esse deve ser o enfoque principal em defesa e promoção do veganismo, não tanto o valor nutricional da dieta vegana, mas sim os valores éticos e morais de todo um ESTILO DE VIDA VEGANO. 

Daniel Meyer

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Leite de Amendoim


Ingredientes:
1 xícara de amendoins crus;
3 xícaras de água

Tenha uma peneira bem fina à disposição (funis para coar óleo são ótimos para fazer leites vegetais) ou uma peneira grossa e um pano limpo.

Instruções:
Em uma panela ampla e fina, comece a torrar os amendoins, parando assim que as cascas começarem a soltar. Com as mãos, esfregue-os até soltar completamente a pele, despreze-as e coloque as sementes no liquidificador com água. Bata até ficar bem homogêneo.
Passe aos poucos pela peneira fina, espremendo bem o resíduo. Se não tiver, pela peneira grossa, reforçando depois com um pano. Algo ideal para coar é o tecido conhecido como Voal.
Guarde o resíduo e o leite em geladeira, utileze para outras receitas como por exemplo creme de amendoim ou pasta.
Este leite é delicoso para tomar puro e tambem pode ser utilizado em outras receitas

obs: Costumo fazer com o amendoim cru e fica muito gostoso

Sobre o leite de vaca

Cada vez mais a população se consciencializa de que uma alimentação correta é essencial para a obtenção de uma melhor saúde física e mental. Surgem por todo o lado lojas de produtos naturais e muitos supermercados têm uma seção denominada de produtos naturais e mais recentemente produtos biológicos.

Somos alertados pelos órgãos de comunicação social para os perigos em que incorremos quando ingerimos gorduras saturadas sob a forma de carne vermelha e ovos, açúcar refinado ou álcool. No entanto, é interessante verificar que os lacticínios, em especial o leite, são sempre considerados alimento "perfeitos" e completos. Fornece-se gratuitamente leite às crianças em idade escolar, existindo mesmo um subsídio estatal para o efeito.

Desde muito pequenos nos ensinam que o leite é o rei dos alimentos e nos dá a proteína e o cálcio necessários para nos fazer crescer. Todos os dias nos são expostos estudos científicos sobre as vantagens dos lacticínios, estudos esses que não ousamos pôr em causa. Mas será que o leite e os seus derivados são alimentos tão benéficos quanto aparentam ser?

Estudos recentes demonstram que o leite além de não ser assim tão benéfico para a nossa saúde pode ser até extremamente prejudicial. A ingestão regular de leite de vaca tem sido associada a uma multiplicidade de desordens, que incluem alergias, asma, otites, problemas do sistema reprodutor tais como infertilidade e impotência, problemas gastrointestinais, agressividade, etc. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos, realçaram também o fato de que as crianças amamentadas com leite materno apresentam coeficientes de inteligência bastante mais elevados do que aquelas que são alimentadas com leite de vaca e derivados. Não podemos menosprezar tais estudos, realizados por eminentes cientistas em todo o mundo. E nem sequer necessitaríamos da colaboração da ciência, se utilizássemos o nosso bom senso: qual o animal, excetuando o homem, que continua a beber leite depois de desmamado?

Porque razão nos devemos alimentar de um produto que foi concebido pela Natureza para nutrir os bezerros? Será que as características fisiológicas de um ser humano são as mesmas de um bezerro? Ao analisarmos as diferenças entre o leite materno e o leite de vaca verificamos que, apesar de ambos parecerem semelhantes em composição, existem entre eles diferenças significativas: O leite de vaca contém três vezes mais cálcio, três vezes mais proteína e dois terços mais hidratos de carbono do que o leite humano.

Estas diferenças são devidas aos diferentes padrões de crescimento a que obedece o crescimento de um bezerro e o de um bebê. À nascença, o cérebro e o sistema nervoso do bezerro estão completamente desenvolvidos, pelo que este necessita de muito mais cálcio e proteína para aumentar a sua estrutura óssea e desenvolvimento muscular. O cérebro do ser humano, contudo, aquando do nascimento, só está 23% desenvolvido, sendo os nutrientes contidos no leite materno necessários para completar o desenvolvimento do sistema nervoso central. Enquanto que um bezerro aumenta nas primeiras semanas cerca de 37 quilos, um bebê, no mesmo espaço de tempo, aumenta apenas 1 a 2 quilos. O corpo do ser humano foi concebido para crescer mais lentamente e o leite humano contribui para este processo. Outra diferença, fundamental mas geralmente desdenhada, entre os leites humano e de vaca, é o tamanho ou qualidade das suas moléculas. O leite de vaca contém proteína e outros fatores nutricionais que se podem assemelhar ao leite humano. Contudo, as moléculas do leite de vaca são maiores do que as do leite humano. Uma das possíveis conseqüências de tais diferenças é as crianças alimentadas com leite de vaca se tornarem física e emocionalmente mais passivas e dependentes. O leite humano também fornece anticorpos que evitam a proliferação de bactérias e vírus indesejáveis, imuniza o corpo contra doenças e infeções, promove glóbulos brancos fortes (células T que destroem bactérias prejudiciais) e produz B. bifidum, um tipo único de bactéria, que se encontra nos intestinos dos bebês, criando resistência a uma variedade de microrganismos. Já nos anos trinta estudos governamentais indicaram que as crianças amamentadas com leite materno tinham um índice de mortalidade infantil significativamente inferior ao das crianças amamentadas com leite de vaca.

Existem também certos fatores nutricionais que não devemos menosprezar ao considerarmos os lacticínios como alimento apropriado para seres humanos. A proteína do leite de vaca e a do leite humano são diferentes: a primeira é denominada caseína, e a segunda lactalbumina.

Apesar de o leite de vaca conter uma quantidade de proteína superior à contida no leite humano, esta é de difícil assimilação pelo nosso sistema digestivo, coagulando com freqüência e provocando problemas digestivos, dos quais o mais comum é a diarréia. A proteína do leite humano é de muito mais fácil digestão e assimilação. No que respeita a gorduras, as contidas no leite de vaca e em produtos como o queijo ou o iogurte são saturadas e de difícil digestão, contribuindo para um aumento de colesterol e ácidos gordos, substâncias que estão diretamente relacionadas com a elevada incidência de doenças cardiovasculares e cancro.

5Interessante também acerca dos lacticínios é o fato de a lactose, um açúcar simples contido no leite, necessitar para ser digerida de uma enzima produzida nos intestinos, denominada lactase. A lactase, geralmente, só é produzida até aos dois, quatro anos de idade, ou seja, durante a idade da amamentação. Apesar de em algumas raças a lactase ser produzida mesmo após os quatro anos de idade, isto acontece numa percentagem muito pequena da população, nomeadamente em povos que ingerem grande quantidade de lacticínios há muitos anos, e cujos sistemas digestivos estão completamente transformados, assemelhando-se aos sistemas digestivos dos ruminantes, criando mesmo uma espécie de rúmen característico destes animais.

Todos os pontos até aqui apresentados deveriam ser suficientes par a nos fazer refletir se o consumo de produtos lácteos nos traz na realidade benefícios ou não. Mas consideremos também o modo como o leite moderno é tratado, e a forma como os animais são alimentados e medicados (alimentação altamente artificial destinada a fazê-los produzir a maior quantidade de leite possível e medicação com antibióticos para os tratar das infeções que esta alimentação lhes provoca.). Nos anos setenta, nos Estados Unidos, foi feita a experiência de alimentar alguns bezerros com leite comercial de vaca, verificando-se que todos eles morreram após algumas semanas. As conclusões a retirar da experiência são demasiado evidentes para que seja necessário explicá-las.

Freqüentemente ouvimos dizer que os lacticínios são o principal detentor de cálcio, quando há muitos outros alimentos com quantidades de cálcio superiores, raramente mencionados, talvez por não estarem associados com este moderno mito e não darem tão grandes lucros aos seus produtores.

Alimentos como os vegetais verdes de rama ou as algas marinhas, utilizados na alimentação tradicional de muitos povos e que possuem propriedades nutritivas assaz grandes, têm quantidades de cálcio mais que suficientes para satisfazerem as nossas necessidades diárias.

Além disso, é mais importante a forma como assimilamos o cálcio do que propriamente a quantidade ingerida. É interessante notar que os países do mundo onde há uma maior incidência de osteoporose (enfraquecimento dos ossos por falta de fixação do cálcio) são precisamente aqueles onde existe um maior consumo de cálcio na forma de lacticínios. Existem tribos na África, onde as mulheres ingerem quantidades diminutas deste mineral, têm em média 9 filhos, que são por elas amamentados, e morrem por volta dos 80 anos, com toda a dentição e sem qualquer vestígio de osteoporose. Estudos mais recentes indicam que a forma como metabolizamos o cálcio está diretamente relacionada com a quantidade de proteína animal que ingerimos.

Assim, uma alimentação com um elevado teor de proteína animal, como é a alimentação moderna, afeta o metabolismo do cálcio, fazendo com que este mineral seja eliminado através da urina ou utilizado para neutralizar uma condição sangüínea mais ácida provocada pelo excesso de proteína.

A resposta para a osteoporose seria então uma alimentação com muito menos proteína e não necessariamente uma ingestão maciça de cálcio.

fonte: http://www.ahau.org/oleite.0.html

domingo, 13 de junho de 2010

iluminação



“Ser vegetariano é discordar, discordar do curso que
as coisas tomam hoje. Fome, crueldade, desperdício,
guerras – precisamos nos posicionar contra essas coisas.
O vegetarianismo é minha forma de posicionar.”
(Isaac Bashevis Singer)

“Comer carne é sobrevivência da maior brutalidade;
a mudança para o vegetarianismo é a primeira conseqüência
natural da iluminação.” (Leon Tolstoy)

“Sinto que o progresso espiritual requer, em
determinada etapa, que paremos de matar nossos
companheiros, os animais, para a satisfação dos
desejos corpóreos.” (Gandhi)

“A carne é o alimento de certos animais. Todavia,
não de todos, pois os cavalos, os bois e os elefantes se
alimentam de ervas. Só os que têm índole bravia e
feroz, os tigres, os leões etc., podem saciar-se em
sangue. Que horror é engordar um corpo com outro
corpo, viver da morte dos seres vivos.” (Pitágoras)

“A estrutura do homem, externa e internamente, comparada
com a de outros animais, mostra-nos
que as frutas e os vegetais suculentos constituem
sua alimentação natural.” (Lineu)

“O destino dos animais tem muito mais importância
para mim do que o medo de parecer
ridículo: está indissoluvelmente ligado ao destino do
homem.” (Emile Zola)

“Os vegetais constituem alimentação suficiente
para o estômago e, no entanto, recheamo-lo de vidas
valiosas.” (Sêneca)

“Como zeladores do planeta, é nossa responsabilidade
lidar com todas as espécies com carinho, amor e compaixão.
A crueldade que os animais sofrem nas mãos
dos homens está além da nossa compreensão. Por
favor, ajude a parar com essa loucura.” (Richard Gere)

“Enquanto o homem continuar a ser destruidor
impiedoso dos seres animados dos planos inferiores,
não conhecerá a saúde nem a paz. Enquanto
massacrarem os animais, os homens se matarão uns
aos outros. Aquele que semeia a morte e o sofrimento
não pode colher a alegria e o amor.” (Pitágoras)

“Pudésseis viver do perfume da terra e, como uma
planta, nutrir-vos de luz.” (Khalil Gibran)

“Feliz seria a terra se todos os seres estivessem
unidos pelos laços da benevolência e só se nutrissem
de alimentos sem derrame de sangue. Os dourados
grãos, os reluzentes frutos e as saborosas ervas que
nascem para todos bastariam para alimentar e dar
fartura ao mundo.” (Gautama Buda)

fonte: Revista, Sinais de Figueira - 2º semestre de 2008

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Alimentos especiais terão espaço reservado em supermercados

Fonte: http://www.semlactose.com/index.php/2010/05/19/alimentos-especiais-terao-espaco-reservado-em-supermercados/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+semlactose%2FcQEG+%28Semlactose%29
Escrito por: Luciane

Celíacos, diabéticos e intolerantes à lactose paranaenses já podem comemorar uma importante vitória. Supermercados deverão oferecer espaço dedicado aos produtos para pessoas com restrições alimentares.

A lei no 16.496, de autoria do deputado estadual Marcelo Rangel, e sancionada pelo governador do Paraná, Orlando Pessuti, determina que todos os supermercados, e mercados com mais de três caixas registradoras para atendimento ao cliente, destinem um espaço exclusivo para a exposição de produtos alimentícios para pessoas com restrições alimentares.

De acordo com as informações da agência de notícias do Paraná, o secretário da Justiça e da Cidadania, desembargador Jair Ramos Braga, acredita que esta é uma questão de saúde pública, de justiça social e de política pública do governador. “Há muito as dificuldades em se identificar a composição dos alimentos tem produzido muitos prejuízos à saúde dos consumidores que não podem ficar à mercê da falta de informações necessárias ao consumo dos mesmos”, disse. “Com a lei, eles terão as informações necessárias ao entrar no supermercado e saberão se este fornece ou não esses alimentos; isso é respeito e acessibilidade”, comentou Rangel.

Os estabelecimentos que deixarem de cumprir a determinação receberão multa no valor de R$ 500 a R$ 25 mil, conforme a gravidade da infração e o porte econômico do comércio, além da conduta e do resultado produzido por esta. A lei entra em vigor na data de sua publicação no Diário Oficial do Paraná.

Esta e outras iniciativas demonstram um aumento de conscientização por parte de nossos representantes políticos em relação as dificuldades enfrentadas por esta parte da população. Leila, do blog Delishville Sem Glúten, também comenta sobre a aprovação da nova lei e se demonstra otimista. Em seu post sobre o tema, ela acredita que em um futuro próximo esta lei ” já estará em âmbito nacional e com um número maior de produtos e fabricantes.”

segunda-feira, 17 de maio de 2010

domingo, 16 de maio de 2010

Os animais são sujeitos de direitos? O uso dos animais pelos homens. Entrevista especial com Daniel Lourenço

Segundo o advogado Daniel Lourenço, nós tratamos hoje os animais como coisas e não damos importância para a vida deles. Em entrevista, por e-mail, à IHU On-Line, ele diz que “houve períodos históricos em que os próprios seres humanos foram tidos como propriedade, como coisa, e tratados basicamente da mesma forma com que hoje tratamos os animais” e salienta que “os centros de pesquisa dentro das universidades baseiam-se no mito segundo o qual a pesquisa biomédica só é possível com experiências em animais”, o que, para ele, é mentira e anti-ético, uma vez que são usados argumentos relacionados à ética para rejeitar pesquisas e experimentos científicos com seres humanos.

Nesta entrevista, Daniel analisa a recém-aprovada Lei Arouca, que estabelece regras acerca do uso dos animais como cobaias. Ele também reflete acerca do direito e da ética animal a partir do uso que se dá aos animais hoje nas universidades, nas pesquisas universitárias e até mesmo pela sociedade em geral. “Acho eticamente complicado justificarmos o abate de animais para alimentação sob todos os prismas, principalmente quando temos alternativas alimentares plenamente viáveis nesse sentido. Comemos animais por prazer e hábito, não por necessidade”, disse ele.

Daniel Braga Lourenço é graduado em direito pela PUC-Rio com especialização em Direito Ambiental Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas. Realizou mestrado em Direito na Universidade Gama Filho. Atua como assessor jurídico na ONG Espaço Gaia, é coordenador do Instituto Abolicionista Animal e professor da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - Uerj.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Depois de muitos anos correndo no Congresso, o projeto que estabelece os critérios de uso de animais como cobaias foi aprovado e agora aguarda sanção do presidente Lula. Qual a sua avaliação sobre este projeto?

Daniel Lourenço – É triste constatar que todo esse tempo se mostrou insuficiente para que se percebesse que o PL n. 1.154/95 representa um retrocesso e não um avanço relativamente ao tema da utilização de animais na pesquisa científica. No campo ideológico, como partidário dos direitos dos animais, me oponho frontalmente a qualquer tipo de norma que corrobore a exploração e a instrumentalização dos animais. As chamadas leis de "bem-estar animal", entre as quais indubitavelmente se inclui o PL supramencionado (comumente designado como "Lei Arouca"), trabalham com o equivocado paradigma do animal como coisa, como propriedade. Por essa razão, o âmbito de eficácia desse tipo de lei é, em realidade, bastante reduzido no que se refere à real salvaguarda dos interesses mais básicos dos seres envolvidos nas atividades humanas que estas leis pretendem regulamentar. A analogia com a escravidão humana é bastante ilustrativa para compreendermos melhor esse ponto.

Como é sabido, houve períodos históricos em que os próprios seres humanos foram tidos como propriedade, como coisa, e tratados basicamente da mesma forma com que hoje tratamos os animais. Com o passar do tempo, principalmente a partir do século XVII, houve leis de "bem-estar" para os escravos, tal como hoje temos leis de "bem-estar" para os animais. Existiram normas, por exemplo, que limitavam ou reduziam a quantidade de açoites diários. É claro que, do ponto de vista meramente quantitativo, isso representava uma melhoria na condição do escravo, pois é sempre melhor receber menos castigo do que mais. Todavia, do ponto de vista qualitativo, esse tipo de norma não retirava o escravo da odiosa condição de objeto. O mesmo ocorre com os animais. As leis de proteção animal eventualmente podem acarretar melhorias pontuais, quando muito, mas não retiram a condição do animal como coisa. O PL 1.145/95, nesse sentido, não traz um questionamento sobre a moralidade em si de utilizarmos animais como objetos de pesquisa, mas apenas regulamenta essa atividade, anestesiando a consciência do cidadão não atento às raízes do problema.

IHU On-Line – Que novas perspectivas podemos ter em relação ao direito dos animais no Brasil? De que forma essa lei pode evoluir?

Daniel Lourenço – As perspectivas a curto prazo não são boas, até porque o Brasil, para não fugir à regra dos demais países, não reconhece os animais como autênticos sujeitos de direitos. Os animais, portanto, não titularizam direitos subjetivos e continuam indevidamente atados ao dogma da coisificação: são tidos como "bens móveis" pela legislação civil e "recursos naturais" pelas leis ambientais. Essa visão instrumental revela o caráter descartável da vida não-humana. Vale a pena novamente frisar que há uma distinção clara entre a ideologia do protecionismo animal e dos direitos dos animais propriamente ditos. Como mencionado, as ditas leis de proteção animal apenas regulamentam o uso dos animais, colocando eventuais salvaguardas no intuito de minimizar o paradoxal "sofrimento desnecessário", mas jamais questionam a moralidade dessas mesmas instituições e condutas. A teoria dos direitos dos animais, por sua vez, tendo por base o fato de que boa parte dos animais é senciente, postula o rompimento da idéia de que deles possamos fazer uso como meios para nossos fins, incompatível, portanto, com o paradigma do animal como propriedade.

Como afirma Tom Regan, não queremos jaulas vazias ou maiores, não queremos jaulas. Nessa linha, não lutamos pela regulamentação e sim pela abolição da utilização de animais. Muito embora o desafio seja gigantesco, vemos que, paulatinamente, o tema dos direitos dos animais vem sendo discutido com maior seriedade no meio acadêmico e com isso, vem ganhando legitimidade. Exemplo disso é o crescente envolvimento de pessoas sérias e renomadas no estudo do tema, e da existência, por exemplo, de uma "Revista Brasileira de Direito Animal", bem como da realização, agora em outubro, do "I Congresso Mundial de Bioética e Direito Animal na Universidade Federal da Bahia". Não vejo como as leis de bem-estar possam efetivamente "evoluir", a não ser que deixem de regulamentar e passem a abolir o uso de animais. O paradigma do modelo animal pareceu viável nos séculos XVIII e XIX, pois os conhecimentos fisiológicos e anatômicos ainda eram bastante incipientes. Hoje, em pleno século XXI, essas idéias são claramente comodistas e obsoletas.

IHU On-Line – Como o senhor avalia a forma como os animais são usados dentro das universidades e centros de pesquisa?

Daniel Lourenço – Os centros de pesquisa dentro das universidades baseiam-se no mito segundo o qual a pesquisa biomédica só é possível com experiências em animais. Isso é uma falácia e, mesmo que não fosse, a pesquisa não-consentida deveria ser rejeitada com base em argumentos nos mesmos argumentos éticos que utilizamos para vedá-la quando feita em humanos. De fato, a pesquisa científica que faz uso de animais convive com um paradoxo insolúvel, qual seja: ou os animais são iguais a nós em todos os aspectos biológicos relevantes e não devemos levar adiante a pesquisa não-consentida pelas mesmas razões pelas quais não a conduzimos em seres humanos, ou os animais são diferentes de nós nesses mesmos aspectos e, por esse motivo, pela impossibilidade real de extrapolação e derivação de resultados, a pesquisa seria igualmente injustificável do ponto de vista técnico. Mesmo sob uma ótica meramente reformista, as universidades deveriam priorizar o uso de recursos substitutivos, garantir a objeção de consciência e vedar absolutamente a repetição de experimentos com resultados conhecidos. Penso, no entanto, que o real enfrentamento do tema nos leva a concluir, tanto do ponto de vista técnico, como ético, pela rejeição ao modelo animal.

IHU On-Line – Hoje, 115 milhões de cobaias são usadas em um ano, para pesquisas científicas. Como avalia as leis de controle de uso de cobaias no mundo?

Daniel Lourenço – As leis de controle de uso de cobaias no mundo tendem a adotar a filosofia dos 3R's (Replacement, Reduction, e Refinement). Sob esse prisma, são tidos como métodos alternativos todos os que se propõem a reduzir o número de animais utilizados para a execução de um determinado experimento, diminuir o sofrimento animal por meio do refinamento da técnica e da completa substituição do uso de animais por outros métodos. A meu juízo, somente a última espécie se coaduna com o que dispõe o § 1º do art. 32 da Lei n. 9.605/98. No entanto, contaminados por uma filosofia cartesiana, o experimentador é comumente dessensibilizado ante o sofrimento de seus pacientes. A dor e o sofrimento em sentido amplo são manifestações primariamente orgânicas que se revelam igualmente relevantes tanto em humanos quanto em não humanos. Não há qualquer razão do ponto de vista científico ou moral para que consideremos que esses estados negativos menos importantes quando sentidos por animais não-humanos. É somente por um especismo ordinário, tão simplório quanto o racismo mais descarado, que vedamos aos animais o acesso a essa esfera mínima de garantias e de igual consideração de interesses.

IHU On-Line – Como o senhor trata a Teoria dos Entes Despersonalizados?

Daniel Lourenço – A obra Direito dos animais: fundamentação e novas perspectivas (Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2008), fruto de minhas pesquisas por ocasião da realização do mestrado em Direito, pretende discutir criticamente o paradigma do animal como propriedade. Nesse sentido, procuro fundamentar a colocação do animal como sujeito de direito. Para tanto, temos várias alternativas. A maior parte da escassa doutrina abolicionista no país tenta fazê-lo utilizando-se da categoria de "pessoa". Embora não discorde fundamentalmente de que animais possam eventualmente vir a ser categorizados como "pessoas" no âmbito do Direito, acredito que essa opção revela uma difícil implementação de ordem prática, pois necessitaríamos de uma modificação legislativa significativa.

Além disso, certamente esbarraríamos no nosso "orgulho de espécie" por meio do qual é sempre mais complexo o processo de inclusão de não-humanos dentro de uma mesma categoria em que figuram os humanos, que sofreriam uma "ameaça conceitual". Procurando fugir desses problemas, desenvolvo criativamente uma distinção conceitual entre pessoa e sujeito de direito, afirmando que há sujeitos de direitos personificados (pessoas) e sujeitos de direitos despersonificados ou despersonalizados. Entre os sujeitos de direito personificados, teríamos os humanos (pessoas humanas) e não-humanas (pessoas jurídicas), o mesmo acontecendo com os não-personificados. Teríamos entes despersonalizados humanos (embrião) e não-humanos (entes do art. 12 do CPC, por exemplo, e os animais). Essa solução me parece menos traumática e mais palatável.

IHU On-Line – Além do uso de animais como cobaia, como você vê os sistemas de criação e abate de animais para consumo hoje no país?

Daniel Lourenço – Tal como mencionado, as leis que regulamentam o também paradoxal "abate humanitário" trabalham sob o paradigma do animal como instrumento, como coisa. Para os fins de proteção do interesse desses animais de continuarem a viver de acordo com o seu ciclo biológico natural, de nada adianta que a sua morte seja pretensamente indolor ou que até o abate seja tratado do modo mais "humanitário" possível. Para eles o fim será sempre o mesmo: a morte. Se defendo que animais têm o direito à vida, me oponho a que sejam utilizados para o abate, não importa o quão tecnicamente refinado seja esse abate. Acho eticamente complicado justificarmos o abate de animais para alimentação sob todos os prismas, principalmente quando temos alternativas alimentares plenamente viáveis nesse sentido. Comemos animais por prazer e hábito, não por necessidade.

IHU On-Line – Gostaria de refazer uma pergunta que o senhor fez a si mesmo no texto "a 'textura aberta' da linguagem e o conceito jurídico de animal". Na linguagem do Direito, quais os seres vivos que poderiam ser abarcados no conceito de animal? Como são feitas as diferenciações entre os animais dentro do debate sobre ética animal e direito animal

Daniel Lourenço – No artigo que você menciona, procurei fazer uma abordagem sobre o conceito jurídico de animal. Percebemos nitidamente que esse conceito sofre diversas distorções à mercê dos nossos próprios interesses. É, de fato, bastante curioso, por exemplo, verificar, que de acordo com nossa legislação, o homem mesmo não é tido como uma espécie animal, pois o art. 17 do Decreto n. 24.645/34 define animal como sendo "todo ser irracional, quadrúpede ou bípede, doméstico ou selvagem, exceto os daninhos". Repare que há um retorno romântico, quase que mítico à mentalidade pré-darwiniana do homem como semi-divindade, colocado absolutamente apartado no ápice da "Grande Cadeia do Ser". Nesse sentido, a meu juízo, há uma supervalorização do problema de se definir onde se situa a linha biológica a partir da qual os animais titularizariam direitos ou não. Muito embora, nesse sentido, admita que exista, de fato, uma zona de incerteza onde não sabemos precisar se determinadas espécies fariam jus a essa inclusão como sujeitos de direitos (ex.: insetos e microorganismos), há uma zona de certeza bastante significativa que inclui a vasta e larga maioria dos animais que exploramos diariamente.
fonte: http://www.ihu.unisinos.br/index.php?option=com_noticias&Itemid=18&task=detalhe&id=17048

sábado, 15 de maio de 2010

Os Senhores e a Senzala

No dia 13 de maio de 1888, a princesa Isabel assinou no Brasil a Lei Áurea, que finalmente abolia a escravatura e libertava os negros das terríveis algemas impostas por um contexto social horripilante, dogmático e cruel.
Mas deste contexto social só mudaram as pessoas, pois os dogmas, as imposições e as crueldades ainda continuam nos prendendo em vidas medíocres, cheias de humilhação, medos e sonhos. Sendo estes, os que nos fazem permanecer em pé, na busca ou simplesmente na esperança de que um dia alcançaremos um mundo igualitário e digno.
É nítido observar que a maneira de escravizar uma pessoa mudou. Na época da escravatura bastava apenas comprar um escravo e obter um recibo, constando o nome do proprietário. Hoje, para isso, basta apenas ter mais de 16 anos e possuir carteira de trabalho. Em alguns lugares, até mesmo a carteira de trabalho e os 16 anos são dispensados, criando-se leis paralelas e extremamente parecidas com as que existiam no período colonial deste tão sofrido país.
Os vínculos familiares na época da escravatura eram quase inexistentes, pois os negros eram vistos como produtos e não como pessoas, portanto eram vendidos como objetos individuais, sem sentimentos ou história, sempre se distanciando de suas famílias (assemelhando-se ao que acontece nos petshops, onde os futuros donos avaliam a aparência do produto, colocam a mão dentro da jaula, retiram o animal, colocam uma fita vermelha sobre a cabeça e levam para casa, na esperança do animal conseguir ostentar, por mais um tempo, a vida moderna).
Mas agora, os vínculos familiares não são mais inversamente proporcionais à distância, pois ferramentas como o computador, internet e telefone reduziram drasticamente este problema. O problema agora é algo mais complexo, pois mesmos quando juntas, as famílias não possuem laços familiares. São estranhos que dividem cômodos frios e sem vida, no qual a televisão tomou o espaço das conversas, o computador tomou o espaço do lazer e o dinheiro tomou o espaço do amor.
A tortura e as humilhações também sofreram uma drástica evolução. Agora não somos mais torturados em praças públicas, com açoites e chicotes. Agora sofremos calados.
Sofremos calados quando não termos condições financeiras de darmos uma boa educação. aos nosso filhos. Sofremos calados quando nos olham “da cabeça ao pé”, nos dizendo que nossas vestimentas não estão na moda ou não são adequadas aos padrões sociais. Sofremos quando trabalhamos o dia todo, durante o mês inteiro, e não conseguirmos colocar comida na mesa, ou quando conseguimos, não nos sobra sequer um tostão para um momento de lazer. Sofremos calados, quando chegamos à uma idade avançada e vemos que a nossa vida foi em vão e tudo o que conseguimos deixar para trás são pessoas como nós, que serão escravizadas e torturadas da mesma maneira. Sofremos calados, quando os chicotes não nos causam mais hematomas externos, mas sim câncer e depressão, devido à uma vida infeliz e cheia de estresse.
Assim, é nítido observar que as algemas sofreram uma grande evolução. Passaram de algemas de ferro, trancadas com chaves e cadeados, para algemas imaginárias, impostas por uma sociedade fria, egoísta e controlada por poucos, que por terem muito se sentem os senhores da atual senzala.

Escrito por: Lenon Mendes http://lenonmendes.blogpsot.com

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Ácido lático e lactose: o que eles têm em comum?

FONTE: http://www.semlactose.com/index.php/2008/09/30/acido-latico-e-lactose-o-que-eles-tem-em-comum/

Escrito por Lucine, do site http://www.semlactose.com/

O tão temido ácido lático ganhou má fama pela origem de seu nome e tem nele seu único elo de ligação à lactose. Devido ao grande número de leitores que nos questionam sobre o ácido lático, os lactatos e outros ingredientes comumente adicionados em alimentos industrilizados, resolvemos abordar o tema e trazer informações que ajudem a todos na hora da compra de seus alimentos.

ORIGEM

O ácido lático foi descoberto em 1780 pelo químico sueco Carl Wilhelm Scheele, identificando-o pela primeira vez no leite coalhado. É por este motivo que seu nome possui origem na palavra leite (do latim: lac / lactis). Ele forma-se naturalmente durante a fermentação de alguns alimentos como queijos, iogurtes, molho de soja, entre outros, mas pode também ser produzido sinteticamente. Além disso, o corpo humano também produz ácido lático durante a realização de atividades físicas.

PRODUÇÃO E USO

O ácido lático é usado em uma grande variedade de alimentos como pães, bebidas, carnes, laticínios, entre outros. No entanto, é importante frisar que o ácido lático utilizado pela indústria de alimentos é obtido exclusivamete do açúcar da cana, sendo um produto 100% de origem vegetal, como explica Ricardo Moreira, engenheiro químico da PURAC, a maior produtora mundial de ácido lático para a indústria. “O ácido lático é muito utilizado para aumentar o shelf-life dos produtos, controlar o desenvolvimento de bactérias patogênicas, entre outros usos”, explica Ricardo.

LACTATOS

O lactato de cálcio e o estearoil lactil lactato de cálcio são derivados do ácido lático, e por tanto, ambos também de origem vegetal. O estearoil lactil lactato de cálcio é comumente utilizado como emulsificante em produtos de panificação.

Agora você já sabe: se você tem intolerância à lactose ou alergia às proteínas do leite e estiver consumindo alimentos com ácido lático ou lactatos, não se preocupe, pois não são eles que estarão prejudicando a sua alimentação.

O Mesmo vale aos veganos!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Protesto em São Paulo marca o Dia Mundial Antivivissecção

Por Lilian Garrafa

Fonte: http://www.anda.jor.br/?p=58569

Cerca de 150 ativistas se reuniram em São Paulo neste domingo (25), em uma manifestação pelo Dia Mundial Antivivissecção. O evento foi organizado pelo grupo Consciência Veg e teve apoio de diversas ONGs, como Holocausto Animal, Veddas, Instituto Nina Rosa, Ativeg, Anda, entre outras. Os manifestantes deram um exemplo de ativismo e união ao juntarem forças e vozes pela mesma causa.

Distribuídas nas calçadas da Avenida Paulista, gaiolas com ativistas simulavam o sofrimento pelo qual passam os animais usados como cobaias em laboratórios. Simultaneamente foram distribuídos panfletos entre os transeuntes que se mostravam interessados em entender a razão da manifestação.

Ativistas simulam sofrimento de cobaias

Nas ruas os ativistas exibiam banners com mensagens pela abolição do uso de animais pela indústria e ciência.

NIna Rosa exibe cartaz contra vivissecção

Fabio Paiva, coordenador geral do grupo Holocausto Animal, adverte que o problema já começa com o termo “vivissecção”, que a maioria das pessoas desconhece. A vivissecção é o uso de animais vivos em laboratórios para criação, pesquisa, formulação de medicamentos, testes em cosméticos e uma infinidade de ‘utilidades’ sequer imaginadas pelos consumidores, realidade ocultada por interesses econômicos. Ele destaca a importância da transmissão da informação, por exemplo, do que está por trás de uma marca de sabão em pó, ou de um simples frasco de lustra-móveis, ou de um perfume: “Tudo que você puder imaginar foi testado em um animal, da maneira mais absurda possível. Uma delas é o teste de irritabilidade feito em coelhos, o Draize (um método cruel pelo qual coelhos são imobilizados e substâncias são aplicadas em seus olhos). Uma empresa que lança uma marca de lustra-móveis não precisa usar um coelho para mostrar que o produto não é toxico, isso é uma crueldade sem tamanho, totalmente inútil e desnecessária.”

O uso de animais para fins didáticos, em experimentos de laboratórios e em testes industriais é cruel, pois os procedimentos são realizados sem anestesia, o que provoca reações profundamente dolorosas e traumatizantes. Os animais, indefesos, são tratados como objetos durante sua curta vida, submetidos a todo tipo de tortura sem nenhuma possibilidade de reação.

Christian Saboia, coordenador do grupo Consciência Veg e organizador do evento, destacou que a vivissecção é absolutamente antiética e sabidamente desnecessária: “O vivisseccionista, pelo hábito de estar em uma universidade, tende a defender essa prática como um pré-requisito para a ciência. No entanto, as indústrias e instituições que não utilizam mais animais continuam produzindo bons trabalhos e fazendo ciência de ponta.”

Tamara Bauab, bióloga e ativista independente, lembra que a vivissecção vem da tradição seiscentista, da época de Descartes, quando se imaginava que os animais não sentissem nada, e não tivessem percepção nem sensibilidade. “Hoje em dia ainda praticamos isso, e não faz bem nenhum ao ser humano. Ninguém pensa em curar, este não é o propósito”. Denominando a indústria farmacêutica de “indústria da doença”, Tamara afirma que o ser humano torna-se dependente de medicamentos e totalmente irresponsável com a sua saúde. “Pode comer e viver de uma maneira totalmente errada, e a indústria vai dar uma pílula mágica. Eu não acredito nessa indústria farmacêutica e nem na medicina. O uso de animais não levou a nada. Não se descobriu a cura para as grandes doenças do ser humano.”

Mauricio Varallo, coordenador do site Olhar Animal e colaborador do Instituto Nina Rosa, cita ainda um caso que confirma a falácia científica da indústria que testa em animais, relembrando a polêmica do fármaco talidomida, cujo uso liberado a partir de testes animais, nos quais não causava mal nenhum, vitimou uma geração de crianças que nasceram defeituosas, com graves problemas congênitos.

Mauricio ressalta ainda que a aprovação da Lei Arouca, a qual deu respaldo à utilização de animais pela ciência, foi um retrocesso no Brasil e vai atrasar em anos a evolução dessa questão, uma vez que na Europa já está proibido uso de animais pela indústria de cosméticos e há uma série de avanços. “Mas eu vejo, por outro lado, que esse movimento crescente, como o que vemos aqui hoje, tende a esclarecer as pessoas. A gente vai ter que trabalhar muito com a informação, mostrar às pessoas não só os aspectos éticos, que são fundamentais para a defesa animal, mas também a falácia científica. As pessoas tomam a ciência como tomavam a religião, consideram as informações da ciência como dogma, e basta pesquisar um pouquinho para ver que isso é um engano, que há muito dinheiro, poder e erro por trás disso.”

George Guimarães, coordenador do grupo ativista Veddas, também é da opinião de que abolir a vivissecção é apenas uma questão de disseminar as informações entre as pessoas, por meio de campanhas e pressão junto ao poder legislativo – já que se trata de uma prática passível de proibição. Ele ressalta a facilidade de as pessoas absorverem a mensagem, uma vez que elas, na maioria, não são a favor da vivissecção, se chocam por causa da natureza dos experimentos e porque não têm necessariamente um apego com esta questão – ao contrário da pecuária, justificada pela alimentação.

Representantes de ONGs de defesa animal unidos pela mesma causa

A manifestação durou 3 horas e marcou, na história da defesa animal no Brasil, um data inédita, que se repetirá anualmente enquanto a tortura e o uso dos animais não tiverem seu fim.

sábado, 24 de abril de 2010

Nova Lista de Distribuição da Sovenp

Salve amigos!

Para melhorar o processo de cadastramento de usuários foi feita uma nova lista de distribuição para a Sociedade Vegetariana Norte-Paranaense (SOVENP).

O endereço de email do grupo de agora para frente será sovenp@googlegroups.com.

Acredito que todos os email tenham sido recadastrados, mas existe a possibilidade de alguém ter ficado para trás, portanto se em um ou dois dias você não receber a confirmação do Google, solicite o seu cadastro em: https://www.google.com/accounts/ServiceLogin?passive=true&service=groups2&continue=http%3A%2F%2Fgroups.google.com.br%2Fgroup%2Fsovenp%2Fsubscribe%3Fhl%3Dpt-BR%26note%3D1&cd=BR&hl=pt-BR

(o link também está disponível na área de Contato do blog da Sovenp, Vida sem Carne. http://vidasemcarne.blogspot.com/)

É necessário apenas abrir uma conta no Google, algo que todos os participantes da lista já possuem.

Para se cadastrar novos usuários também é necessário realizar o mesmo processo. Basta socilitar ao usuário que acesse o link acima e realize o seu cadastramento. Feito isso, basta a moderação aceitar o membro. Mas se quiserem enviar um email solicitando o cadastramento, como de costume, fiquem à vontade.

Qualquer dúvida me comuniquem.

E assim que o processo estiver concluído eu avisarei. Depois disto, somente esta lista será utilizada.

Agradecemos a compreensão de todos e não deixem de acessar o nosso blog! http://vidasemcarne.blogspot.com/.

Abraço

quarta-feira, 21 de abril de 2010

terça-feira, 20 de abril de 2010

Representantes das ONGs Amabicho e Aprablu farão exames de corpo de delito

Fonte:http://vista-se.com.br/site/pomerode-sc-protesto-contra-puxada-de-cavalos-termina-em-agressao?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed:+vista-se+(Vista-se)

Os integrantes das ONGs Associação dos Melhores Amigos dos Bichos (AMA Bichos) e Associação de Proteção aos Animais de Blumenau (Aprablu), agredidos neste domingo durante a puxada de cavalos em Pomerode, farão exame de corpo de delito segunda-feira no Instituto Geral de Perícias, em Blumenau. Voluntária da AMA Bichos, Heike Weege, disse que a entidade irá acionar juridicamente a organização da puxada pela violência contra os membros das ONGs.

Os voluntários das organizações de proteção aos animais fizeram um protesto contra a puxada durante o evento que ocorreu domingo à tarde, na localidade de Ribeirão Souto, em Pomerode, no Vale do Itajaí. Quatorze manifestantes das ONGs Aprablu e Amabicho ficaram feridos no confronto com os organizadores e participantes da puxada.

A presidente da Aprablu, Bárbara Lebrecht, foi empurrada e machucou a perna. Outras duas manifestantes foram feridas na cabeça. O cinegrafista da TVBV Luiz Deluca, 25 anos, foi agredido a tapas no pescoço e teve o equipamento destruído.

Era pouco mais de 14h quando iniciava a quinta rodada da puxada de cavalos, na arena improvisada em terreno próximo ao Clube de Caça e Tiro Germano Tiedt. O evento, organizado pelo Clube do Cavalo, reunia 25 participantes, 60 animais e era assistido por cerca de 200 pessoas.

A Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e o Samu foram acionados, mas chegaram cerca de 15 minutos após o protesto. Os manifestantes foram à delegacia registrar boletim de ocorrência.

As pessoas que protestavam criticavam o uso dos cavalos em provas, cujo objetivo é medir a força do animal, arrastando sacos de areia de até 2 toneladas por uma distância de 10 metros.

Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=2ZcWaIgYcoU

sábado, 17 de abril de 2010

Feijoada Vegana - Programa da Band

Vídeo Simples mas com grandes explicações.

terça-feira, 30 de março de 2010

O inverno vem chegando... Casaco é um saco!

Retomando a ideia da campanha "saco é um saco", um problema que causará um grande sofrimento a (longo?) prazo. E levado pelo período em que são lançadas as tendências da moda outono/inverno, quero comentar sobre algo que causa terríveis sofrimentos num curto prazo: os casacos de pele.
Existem hoje vários materiais sintéticos, feitos de plásticos ou fibras que simulam a pelugem dos bichos. Mesmo assim, por status, muitas pessoas ainda preferem usar os casacos de origem animal. O que não deixa de ser extremamente bizarro. Imaginem, um ser humano andando pela rua com várias chinchilas mortas dependuradas pelo corpo...
Aqui, será mostrado tamanha crueldade imposta neste processo...

Esta é uma matéria da revista "Mundo Estranho" de Julho de 2009...



Apesar do editor da matéria acreditar que o abate dos animais para alimentação uma humana tem uma causa justificável (o que devo discordar prontamente), o mesmo revela uma posição de revolta quanto à crueldade ocorrida na produção de casacos de pele, realizada meramente para contentar a vaidade humana.



quinta-feira, 25 de março de 2010

Trolls atirando nos próprios pés: reflexão sobre o #DiaMundialSemCarne


Por Robson Fernando


No último dia 20 de março, mais uma vez o Twitter foi palco de militância vegetariana, dessa vez em virtude do Dia Mundial Sem Carne – embora o dia seja mundial, só houve a arquitetação de uma campanha twitteriana no Brasil. A tag #DiaMundialSemCarne conseguiu um feito ainda melhor que o #GoVegetarian, também brasileiro, de um mês antes: foi para primeiro lugar nos trending topics nacionais.

Entretanto, essa realização foi, em sua maior parte, não graças aos militantes que mostraram links e frases relacionadas aos males do consumo de carne, mas sim graças à multidão de onívoros que ironizou com o dia. Esse comportamento troll, ao meu ver, merece ser o tema desta reflexão sobre a campanha do #DiaMundialSemCarne.

O que roubou a cena, ao contrário do #GoVegetarian, foi não mais o esforço dos vegetarianos em si, mas a negativa resposta em massa a ele. Foi uma miscelânea de tipos de tweet, incluindo as tradicionais provocações do tipo “hoje eu comi uma picanha…”, “vamos comemorar com um churrasco”, “O dia terminou sem carne, porque esgotei toda a carne que tinha”; retweets (RTs) como “Quem comeu carne no #DiaMundialSemCarne e não se arrependeu, dê RT” ou “No #DiaMundialSemCarne eu colaborei radicalmente: destruí estoques consideráveis de carne a dentadas, por um final totalmente sem carne”; e, com menos frequência, reações mais agressivas, como “boi bom é boi morto” ou “#DiaMundialSemCarne de c… é r…”.

De fato essa foi a reação média ao #DiaMundialSemCarne: birras, provocações, reafirmações do hábito de comer carne. Preferência pela alienação e pela má educação. A grande maioria da população do Twitter que respondeu à campanha simplesmente recusou-se a refletir sobre sua alimentação, levando na brincadeira o sofrimento animal e a destruição ambiental que a carne provoca. Feliz foi a frase de uma vegetariana: “Não se iludam, o que queriam de um povo que discute sobre BBB no Twitter? Serem educados com a tag #DiaMundialSemCarne?”.

Tal povo comprovou que é de fato alienado e sem consciência, prefere dar uma banana ao debate sobre direitos animais e ignorar os alertas cada vez mais constantes e graves dos noticiários sobre os perversos impactos ambientais da produção e consumo de carne.

A população, em vez de pensar como fazer sua parte, opta por deixar que o Greenpeace e o governo – o qual até apoia a pecuária e é influenciado por um lobby ruralista – se encarreguem sozinhos de deter o desmatamento e as emissões de gases-estufa, desprezando o fato de que ela própria é quem está financiando a pecuária que desmata horrores e emite, de formas diretas e indiretas, uma enorme carga de gases-estufa – 18% segundo a FAO, 51% segundo o Worldwatch Institute.

Escolhe pôr nas mãos do mesmo governo e de ONGs como a WWF e a Sea Shepherd o ônus de lutar pela preservação da fauna marinha, esquecendo que, sem a enorme demanda por carne de peixe e frutos-do-mar que ela mesma compõe, a pesca nunca teria crescido tanto a ponto de ameaçar a vida animal em todos os mares e oceanos do planeta – e o pior, mal sabem que o próprio governo brasileiro vem fomentando que a pesca cresça ainda mais, através de seu infame Ministério da Pesca e Aquicultura.

Durante a campanha, comparei tal ridículo com situações imaginárias que teriam acontecido se computadores, internet e o Twitter tivessem existido em determinadas épocas da História. É de se imaginar: a tag #NoSlavery (sem escravidão) seria respondida no século 19 com muitas provocações pelas quais as pessoas (brancas) reafirmariam seu hábito de explorar, forçar e espancar escravos; nos Estados Unidos da década de 60, o termo #NoRacism (sem racismo) causaria reações de brancos a vociferar insistentemente que negros seriam inferiores e mereceriam ser agredidos e “esculachados”; em épocas de ascensão da luta feminista por direitos para as mulheres, reações misóginas não faltariam à tag #WomensRights (direitos das mulheres).

Poucos foram aqueles onívoros que, em vez de acompanhar a onda de provocações do povão, tentaram responder racionalmente e com argumentos por que não estavam dispostos a repensar seu hábito alimentar. Entretanto, foram quase sempre os velhos mitos surrados e fáceis de refutar: a suposta anatomia carnívora humana, o (convenientemente seletivo) seguimento da “lei do mais forte”, a cadeia alimentar, a evolução humana devida à carne, os animais “nascidos para serem alimento” etc.

Falou-se bastante também que o que estávamos fazendo era “impor” um dia sem carne, que estaríamos atentando contra a liberdade e desrespeitando a escolha alimentar das pessoas. Na verdade, porém, o #DiaMundialSemCarne, muito longe de uma imposição ou um ato de obrigar – somente o seria se o dia 20 de março tivesse sido decretado por lei como um dia de proibição rígida da venda e consumo de carne –, é um convite à reflexão lançado pelo ato de conscientizar. É um dia de se pensar nas consequências ambientais da alimentação onívora e no lado dos animais que a pecuária e a pesca matam aos bilhões todos os anos.

E lembremo-nos que a imposição é autoritária e violenta e não permite debates, algo diametralmente oposto à atitude de conscientizar, esclarecer, debater e fazer refletir a qual marcou a campanha twitteriana. Acontece que, para as pessoas, qualquer conscientização que questione seus hábitos socioculturais – no caso, a alimentação onívora – se torna uma imposição porque atenta diretamente contra aquilo que lhes dá prazer e conforto – comer carne.

É curiosa a concepção de “imposição” de grande parte dos brasileiros – que seria a atitude de qualquer verbalização que os aconselhe a mudar comportamentos de modo a adotar hábitos opostos aos atuais. Nesse sentido, até as clássicas frases “não jogue lixo no chão”, “se dirigir, não beba” e “preserve a natureza” ou mesmo os conselhos da mãe seriam considerados imposições. Mas não o são porque, ao contrário das mensagens “não coma carne” ou “seja vegetariano”, não mexem com hábitos prazerosos – não dá prazer a quase ninguém jogar lixo no chão, dirigir bêbado, vandalizar vegetações e fazer besteiras que contrariem as palavras maternas.

Outra palavra frequente entre os que se incomodaram foi “converter” – reclamava-se que estaríamos querendo converter onívoros para o vegetarianismo tal como evangélicos tentam fazer com quem não segue o cristianismo pentecostal. Outro equívoco, uma vez que a militância vegetariana quer promover o debate, a reflexão e a encaração racional do prato onívoro de todo dia e traz à luz fatos comprovados por muitas fontes idôneas, ao contrário da pregação e conversão religiosas, baseadas na fé irracional, no dogmatismo e em “fatos” de veracidade completamente duvidosa e calcadas na credulidade e falta de esclarecimento dos convertidos.

E de fato quem mais parecia ostentar uma irracionalidade parecida com a de cristãos recém-convertidos eram justamente os que reagiam contra a conscientização. Pareciam ostentar uma “fé” onívora, tão dogmática, intransigente e resistente a argumentos contrários quanto a religiosa. E, tal como religiosos fundamentalistas diante de ateus militantes, ou recusavam-se visceralmente a discutir suas crenças ou defendiam-nas com argumentos falaciosos, frágeis e até risíveis.

O que escrevi até agora nesta reflexão pode estar dando a entender que nós vegetarianos perdemos feio no #DiaMundialSemCarne, saímos humilhados e eu estou lamentando tudo em nome da militância vegetariana. Mas felizmente não foi essa a verdade. O certo é que, apesar de uma enchente de trollagens ter sido provocada, saímos ganhando. A campanha e o próprio vegetarianismo, aliás, saíram muito fortalecidos.

O #DiaMundialSemCarne foi vitorioso porque a multidão provocadora, se quis desacreditar o movimento vegetariano e o Dia Mundial Sem Carne, falhou feio, deu um tiro no pé. Os que reproduziram a tag seguida de uma provocação acabavam divulgando o nosso movimento sem querer. Em vez de ignorar o termo e dedicar-lhe um fulminante silêncio – algo que poderia até deixá-lo fora dos trending topics, uma vez que observei que as mensagens de conscientização às vezes vacilavam por uma frequência menos que intensiva –, fizeram questão de deixá-lo lado a lado com alguma alusão ao gosto por carne. Gol contra: fortaleceram muito a campanha, deram-lhe uma repercussão magnífica e ainda por cima escancaravam autoimagens do tipo “Oi, eu sou tão tolo que só tenho provocações bobocas para tentar rechaçar e invalidar o #DiaMundialSemCarne”.

E a ideia de que onívoros em sua maioria são tolos e não têm argumentos ou motivos racionais para comer carne nos tentou o tempo todo para que a concebêssemos como verdade, uma vez que ficou claro que a trollagem era o único modo que encontravam para defender (desesperadamente) seu prato, já que não encontravam nada inteligente que pudesse rechaçar a campanha. Pareciam sentir-se acuados diante daquilo que não podiam encarar de forma esperta e, assim sendo, partiam para a força bruta para tentar derrotar a nós e a nossos argumentos – como se fôssemos adversários.

Ficou também evidente o contraste entre a alienação e falta de argumentos racionais dos onívoros e a consciência e riqueza de conhecimento e informação dos vegetarianos. Concluiu-se que a maioria dos primeiros come carne não por motivos bem pensados, mas por inércia cultural, crença “amém” em velhos e surrados mitos, desconhecimento da extremamente diversificada culinária vegetariana e, acima de tudo, prazer do paladar. O vegetarianismo figurava-se mais racional e bem fundamentado que o onivorismo.

Pensemos no seguinte: quando declararem por lei um Dia Nacional do Churrasco e fizerem uma campanha do tipo #DiaDoChurrasco no Twitter, é improvável que os vegetarianos responderão provocando com o mesmo espírito troll, com mensagens vazias carregadas do propósito de irritar o outro lado. O que será de se esperar é uma contrainvestida com muitos argumentos bem pensados por que não se deveria comemorar, e sim lamentar, esse dia.

O #DiaMundialSemCarne não induziu a população à reflexão e encaração racional do prato como se desejava, mas isso não é motivo de desalento, até porque esse foi apenas o primeiro grande Dia Mundial Sem Carne da história do Twitter – ou um dos primeiros – e pelo fato de termos chamado muito a atenção e constatado a falta de argumentos e a alienação ético-ambiental da maioria das pessoas.

Espero que esta reflexão sirva como base para se trabalhar a militância vegetariana a curto e médio prazo – que nos ajude a pensar como lidar com tamanha alienação e levar conhecimento, esclarecimento e consciência a essas pessoas. Das constatações e lições que temos em cada dia de ativismo, obtemos grande aprendizado e tornamos nossa luta pela ética e pelo meio ambiente cada vez mais forte e eficiente.

Robson Fernando é dono do blog Arauto da Consciência e estudante de Ciências Sociais apaixonado por sociologia

fonte: http://vista-se.com.br/site/trolls-atirando-nos-proprios-pes-reflexao-sobre-o-diamundialsemcarne?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+vista-se+%28Vista-se%29

segunda-feira, 22 de março de 2010

sexta-feira, 19 de março de 2010

terça-feira, 16 de março de 2010

Cega, Surda, Muda

Constroem-se mais hospitais, contratam-se mais médicos, melhoram-se as tecnologias e os remédios, porém ainda assim sempre teremos problema com o sistema de saúde, pois o verdadeiro problema não está no sistema, mas em todo o contexto social.


Desde pequenos somos alfabetizados com bulas e mais bulas de remédios. Aprendemos que ficar doente é algo normal e corriqueiro e que o porquê e o como são coisas que não existem nos vocabulários da medicina. A única coisa que existe é o tratamento.

Para quase tudo há uma pílula mágica com as pseudo-soluções de nossos problemas de saúde, porém o que não percebemos é o quanto artificial é esta atitude. Não estou querendo recriminar os métodos da medicina tradicional, porém quero questioná-los e dizer que saúde não é algo que se compre em farmácia.

Saúde vem de uma boa educação alimentar, de práticas de exercícios físicos, de uma vida sem drogas, álcool e excessos.

Assim, o problema do sistema de saúde brasileiro está nos próprios brasileiros que inundam seus corpos com toneladas de açúcar e gordura saturada. Porém a culpa não é só da sociedade, mas também de uma administração pública incompetente e tapada que não consegue enxergar um palmo à frente de suas barrigas gordas e salientes (vejam o exemplo físico de nosso presidente).

Para constatar que nossos problemas de saúde são iniciados no berço, a Universidade Estadual do Rio de Janeiro realizou uma pesquisa sobre os índices de obesidades infantil no Brasil, descobrindo estar na faixa de 11%, não muito distante dos 15% dos Estados Unidos. E quanto ao colesterol este índice é de 10% nas crianças e em adultos é o maior do mundo.

Portanto, é nítido visualizar onde começam e onde terminam nossos problemas de saúde (principalmente onde eles terminam).

Acesse: http://lenonmendes.blogspot.com

quinta-feira, 11 de março de 2010

Pão de "queijo" vegano

Ingredientes:

- 4 xícaras de polvilho doce
- 1 xícara de polvilho azedo
- 3 xícaras de purê de mandioquinha (descascar, cozinhar e amassar)
- 1/2 xícara de purê de cenoura (descascar, cozinhar e amassar)
- 2/3 de xícara de óleo
- Água
- 1 colher (sopa) de sal

Modo de preparo:

Misturar, em uma bacia grande, todos os ingredientes secos (polvilhos e sal).
Acrescentar os purês e misturar (ainda não vai ficar homogêneo).
Acrescente a água e o óleo, e misture tudo com a ajuda de uma colher até que possa usar as mãos. Vá misturando até obter uma massa lisa e homogênea.
Molde bolinhas com as mãos e coloque em uma assadeira (não é necessário untar).
Asse em forno baixo por cerca de 1h20 (ou até que tenham crescido e estejam dourados).

quinta-feira, 4 de março de 2010

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Incrível Manifestação do Dia Internacional dos Direitos dos Animais

O Dia Internacional dos Direitos dos Animais, comemorado em todo o mundo em 6 de Dezembro, dessa vez contou com uma manifestação sem igual e nunca vista sensibilizando pessoas do mundo inteiro para a causa animal. A manifestação foi realizada pela ONG Igualdad Animal, da Espanha, na Porta do Sol em Madrid. Foi algo tão bem feito e tão sensibilizador que em poucas horas a notícia já corria o mundo e era divulgado pelos mais diferentes meios. Eis a tradução dos acontecimentos que nos foi enviado por E-Mail pela referida organização:


Coincidindo com o Dia Internacional dos Direitos Humanos, Igualdad Animal celebrou no Dia Internacional dos Direitos dos Animais, como vínhamos fazendo há vários anos, reivindicando que o mesmo respeito que devemos ter para com os humanos tem que estender-se ao resto dos animais. Mais de uma centena de ativistas de Igualdad Animal provenientes de diversas regiões da Espanha e do estrangeiro, sustentamos em nossas mãos os corpos mortos de cordeiros, galinhas, visões, porcos, frangos, peixes, gatos, zorros e coelhos que haviam sido mortos nas granjas de exploração animal.

Mostramos deste modo a face mais dolorosa do consumo de animais, dando a oportunidade para uma reflexão da sociedade sobre a necessidade de respeitar os animais de outras espécies com os quais compartilhamos o planeta.


Durante todo o ato houve um respeitoso silêncio, só quebrado pelas descrições que fizemos sobre como havia sido a vida e a morte desses indivíduos que jaziam nesses momentos sem vida nas mãos daquelas pessoas que haviam decidido deixar de explorar-lhes e ajudar-lhes. Alguns ativistas não puderam reprimir as lágrimas de pena e emoção ao ter o corpo de uma vitima em suas mãos... umas lágrimas que se contagiaram a diversas pessoas do público, que puderam compreender a injustiça de tirar-lhes o direito de viver.


Em mais de trinta anos que estou no movimento, nunca havia participado de um ato como este. John Curtin – Inglaterra


Este impactante e emotivo ato obteve a repercusão imediata excepcional, sendo recolhido por meios de comunicação de países como Rússia, Austrália, Estados Unidos, Peru, Noruega, Bélgica, Jamaica, Argentina, África do Sul, Venezuela, Polônia, Inglaterra, Portugal, República Checa, França, Eslovênia e Itália entre outros.


A manifestação foi aclamada em todo o mundo e por sua impressionante colocação em cena e seu respeitoso modo de reivindicar o respeito que merecem todos os animais. Tirando das granjas os corpos sem vida desses animais, que haviam padecido a exploração nas mãos dos humanos, evitamos que essas mortes permanecessem ignoradas e ajudamos para que a sociedade se dê conta do terrível dano que causamos aos demais animais com nossos hábitos.


Era muito pequena, ainda tinha um cordão umbilical fresco, pendurado. Rosa com bolinhas pretas, maravilhosa. Eu a imaginava correndo alegremente, desfrutando de suas primeiras horas de vida. Mas não, estava morta e nunca mais despertaria. Nasceu para sofrer e morrer, um hematoma tremendo evidenciava esse sofrimento e enquanto eu a sustentava pensava no que isto implica, a todos e a cada um dos dias, a cada momento.


Olhava a gente ao redor sentindo-me pior do que faz muito não me sentia, desejando que este corpo que sustentava e todos e cada um de meus companheiros não tivessem morrido nunca, e que despertassem para viver uma vida plena, que a gente que passava se fixassem um segundo neles e vissem o que esses corpos significavam. Laura – Valencia


Eu tive que sustentar um pequeno pintinho com apenas horas de vida. Minhas grandes luvas de látex se curvavam para formar um leito para dar algum calor para aquele corpo que só conhecia a dor e terror. Fazia frio e minhas mãos tremiam, e a emoção me fez pensar que aquele pequeno corpo que sustentava podia voltar à vida, essa vida arrebatada pela ignorância e a injustiça. Fechei os olhos por uns milésimos de segundo, esperando que o sonho impossível da justiça se fizesse realidade, mas quando os abri continuava morto, inerte. Então pensei que se voltasse a fechá-los, haveria uma maré de pessoas reclamando seus direitos, e dessa vez sim, era real.

Xoxe Gopar – Barcelona


Para começar, a organização é muito boa... saber que havia alguém sempre ali para ajudar para se um ativistas não podia já sustentar os cadáveres das vítimas foi tranqüilizador, porque realmente foi algo muito duro de se fazer. Obrigado a todos por isso.


E claro, foi um ato muito comovente. Estar ali e ver as pessoas que possivelmente pela primeira vez viam literalmente os olhos das vítimas e choravam como fizeram várias das pessoas que passavam... isso foi muito emotivo. Isso me fez sentir a força da manifestação, as muitas pessoas que se foram pensando e fazendo conexão, certamente recolocando-se sobre suas atitudes. E essa força se viu com a difusão mundial que teve o ato. Quando só fazia horas que havia terminado e já saia nos meios digitais e ainda agora seguimos encontrando novos meios que difundem a notícia. Outro ato inesquecível. Não só para todos os meios digitais e impressos, em vários idiomas, em outras televisões do mundo. Um impacto para todos.

Daniella Paola – República Checa


Fonte: http://jornalanimais.blogspot.com/2010/01/veja-como-foi-mais-incrivel.html

Protesto Contra Rodeios do O Teatro Mágico

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Humanos!

Maionese de soja


Ingredientes

- 1 xícara (chá) de extrato de soja "leite" gelado
- 1 colher (sopa) de caldo de limão
- 1 colher (chá) de sal
- 5 azeitonas picadas
- 1/4 de cebola picada
- Óleo de soja gelado

Modo de preparo

- Adicionar todos os ingredientes, com exceção do óleo, no copo do liquidificador e bater.
- Adicionar o óleo, bem devagar, no centro da massa até atingir uma consistência firme, quando ocorre o fechamento do "furo" no centro da maionese e o liquidificador não consegue mais bater.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Expansão de biocombustível pode aumentar emissões do Brasil


A expansão da produção de biocombustíveis no Brasil pode aumentar as emissões de dióxido de carbono do país, ao invés de reduzi-las, e empurrar a pecuária para a Amazônia e o Cerrado, de acordo com um estudo da universidade de Kassel, na Alemanha.
A pesquisa, publicada na última edição da revista científica Proceedings of the Academy of National Sciences, calcula que a expansão da pecuária rumo à Amazônia - provocada indiretamente pela expansão das plantações de cana-de-açúcar e soja, usadas na produção de etanol e biodiesel -seria responsável por quase metade do desmatamento previsto para ocorrer até 2020.
Com isso, o país levaria quase 250 anos para poupar, através do uso de biocombustíveis em vez de combustíveis fósseis, a quantidade de carbono liberada pelo desmatamento dessas áreas.
A expansão das plantações de cana se concentraria principalmente nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná; e em menor escala, no Nordeste.
Já a soja, segundo a pesquisa, avançaria nos estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais. Amazônia e Cerrado
No entanto, a consequência indireta dessa expansão seria o avanço da pecuária para Amazônia e para o Cerrado. Nos modelos produzidos pelos estudiosos, plantações de cana e soja seriam os responsáveis indiretos por 41% e 59% do desmatamento na região, respectivamente.
Além disso, a pesquisa sugere que entre os biocombustíveis produzidos no Brasil, o óleo de palma seria o que menos emissões de carbono produziria.
O estudiosos também afirmam que, nos próximos anos, "uma colaboração mais estreita ou uma relação reforçada entre os setores do biocombustível e pecuária é crucial para uma economia eficaz de emissões de biocombustíveis no Brasil".
Os pesquisadores de diversas instituições alemãs, liderados por David Lapola, da universidade de Kassel, advertem que utilizaram em seus cálculos aumentos "algo otimistas" de produtividade na agricultura.
"De fato, os nossos resultados podem ser piores, em vista das projeções de potenciais colheitas por causa de avanços tecnológicos", diz o documento.
Os pesquisadores afirmam que, sem este aumento de produtividade nas potenciais colheitas até 2020, o tempo necessário para pagar a "dívida de carbono" - a economia de carbono provocada pela troca do combustível fóssil por biocombustíveis - passaria a mais de 400 anos.
Os cálculos dos pesquisadores foram feitos tomando como base os planos brasileiros de expansão de uso e produção de biocombustíveis.
Além disso, foram realizadas simulações de como este aumento se refletiria em termos de mudanças diretas e indiretas do uso do solo.


fonte: BBC Brasil

Será que podemos afirmar...

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Bolo de Chocolate Vegan

Ingredientes

3 xícaras de farinha de trigo
1 e 1/2 xícara de açúcar
6 colheres (sobremesa) de cacau em pó
2 colheres (chá) de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
6 colheres (sopa) de óleo vegetal
2 colheres (chá) de baunilha
2 colheres (sopa) de vinagre
2 xícaras de água gelada

Preparo

Em uma tigela grande, peneire todos os ingredientes secos e misture bem. Em outra tigela, junte todos os ingredientes líquidos. Preste atenção para a água, que deve estar muito gelada e ser o último ingredientes a ser colocado. Junte então, todos os ingredientes, bata na mão ou na batedeira, em velocidade baixa, por 4 minutos. Despeje a massa em uma forma untada e enfarinhada. Pré-aqueça o forno por 5 minutos, no mínimo, antes de colocar o bolo. Asse na temperatura mais baixa do forno, por cerca de 40 minutos. Espere esfriar por completo para desenformar.

"Proteínas"

http://www.cadastroveg.org/



O cadastro-veg é um espaço para registramos o avanço do vegetarianismo.
Para isto foi cridado um questionário mínimo obrigatório onde todos devem preencher com dados sobre si próprios em espaços onde podem colocar outros dados complementares a seu respeito e sobre o hábito do vegetarianismo.É um espaço de pesquisa deste universo veg e para aqueles que também queiram nos conhecer.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Mitos e fatos sobre a vitamina B12

Valerie Copeland

A maioria dos que optaram pela dieta vegetariana sabe que os vegetarianos vivem mais, têm menor incidência de câncer e menor risco de ataques e doenças do coração. As refeições vegetarianas (e vegans inclusive) fornecem as quantidades adequadas de todos os nutrientes que precisamos - com a possivel exceção da Vitamina B-12, que é importante na produção de hemácias e na manutenção do sistema nervoso.
A B-12 é uma vitamina essencial que é produzida somente por microorganismos tais como bactérias, fungos e algas; animais e plantas não podem sintetizar B-12 (os animais são fontes de B-12 para os não-vegetarianos porque animais ingerem microorganismos).
Os vegetais que não são lavados também podem conter quantidades significativas se estiverem contaminados com bactérias produtoras de B-12. No entanto, em países desenvolvidos, onde os vegetais são lavados durante a colheita, essas bactérias são facilmente perdidas.
A necessidade da Vitamina B-12 é pequena. A dose diária recomendada é de 2 microgramas (mcg), e os estudiosos acreditam que 1 mcg/dia pode ser suficiente [1]. A deficiência é rara, já que nossos organismos normalmente armazenam suprimentos de B-12 para vários anos, conservando-a e reabsorvendo-a dos nossos resíduos.
De longe, o problema mais comum com relação à B-12 não é a deficiência na dieta, mas sim a incapacidade que uma minoria de pessoas tem de absorvê-la devido à deficiências enzimáticas; essas pessoas podem receber injeções periódicas de B-12. Devemos consultar um médico se sentirmos que pode haver uma deficiência de B-12 em nosso organismo.
A dose necessaria é pequena e a deficiência é rara ... As fontes de B-12 incluem cereais enriquecidos, leite de soja enriquecido, suplementos e levedura nutritiva enriquecida.
Os lacto-ovo-vegetarianos que ingerem uma variedade de alimentos não têm problema em atender todas as necessidades vitamínicas, incluindo a B-12. Os lacto-vegetarianos também têm pouca dificuldade em obter B-12 em suas dietas. Entretanto, os vegans podem sofrer de deficiência de B-12 se não fizerem o esforço consciente de incluir uma fonte confiável de B-12 em suas dietas.
Vários do alimentos que se pensava que continham B-12, na realidade não a contêm, ou contêm apenas substâncias similares à B-12 mas que não possuem atividade biológica e podem até inibir a absorção de B-12.
Os seguintes alimentos não contêm B-12 ou contêm apenas substâncias análogos à B-12:

Tempê
Amarante (Pau-roxo)
Tamari Shoyu
Espinafre
Missô
Alfafa
Nabo
Ameixa Japonesa (Umeboshi)
Alga Leguminosas
Tofu Espirulina (tipo de alga)
Amendoim
Malte de Cevada
Confrey
Feijão de Soja
Pão Sourdough
Água de Chuva
Cogumelos Shiitake

As fontes confiáveis de B-12 podem ser encontradas facilmente em vários cereais enriquecidos, leite de soja enriquecido (como o Eden Soy Extra), alguns substitutos da carne ("carne" e "hamburguer" vegetais) e todos os suplementos multivitamínicos comuns (veja se o rótulo consta do seu nome científico "Cianocobalamina").
As leveduras nutritivas enriquecidas, tais como a Red Star T6635 (uma colher de sopa fornece 4 mcg) tambem são uma fonte excelente. Esses produtos podem ser encontrados em algumas lojas de alimentação integral.

____________
[1] Herbert, V. (1988) Vitamina B-12: fontes vegetais, doses necessárias e análise. (Vitamin B12: Plant Sources, Requirements, and Assay) Am J Clin Nutr 1988, 48:852-858. [2] Messina, M. and Messina, V. (1996) no livro O Guia do Nutricionista para as Dietas Vegetarianas, Questões e Aplicações (The Dietitian's Guide to Vegetarian Diets, Issues and Applications). Aspen Publishers, Inc., Gaithersburg, MD, pag. 168.